O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Rio Preto e Região, Tiago Gonçalves Pereira, já iniciou conversas com os trabalhadores e o setor patronal  para definir as pautas sobre as negociações de reivindicações das categorias com data base em 1 de setembro. Entre as categorias que terão negociação neste segundo semestre está o setor da panificação, o de massas, inorganizados, torrefação e moagem, laticínios, água mineral e frigorífico de peixes.  Pereira afirma que sua luta por melhores condições de trabalho segue.  “Estamos dialogando com os trabalhadores e montando as pautas. Só depois de muita discussão, aqui na região, e também em São Paulo, com a Federação, que levamos para o setor patronal”, afirma o dirigente. 

Ele comentou que a probabilidade de inflação para o período é de 9%, 9,5%. “Faz tempo que não temos uma inflação dessa. Os patrões vão querer dificultar, mas os trabalhadores não podem ficar no prejuízo. Vamos continuar lutando para manter o que temos, os benefícios dos trabalhadores e buscar melhorias, seja um aumento salarial, no ticket. Continuamos o trabalho”. 

Do primeiro semestre ainda ficaram algumas negociações em aberto, como de doces e conserva, de bebidas, de frios e de usina de açúcar. “Em alguns casos as empresas precisam se adequar e precisamos também terminar a negociação. E só aí fazemos a convenção e fechamos. Esses últimos dois anos tem sido muito complicado e os patrões não estão ajudando muito. Pelo contrário, estão culpando a pandemia e lucrando ainda mais em cima dos trabalhadores”.  Ele citou o setor de frios que há dois anos não conta com convenção. “Quem fica no prejuízo com isso? Sempre o trabalhador”.